2006/12/01

Grant Lee Phillips

Cover-Man

Há alguns anos atrás tropecei neste nome, então com apelido “Buffalo” rodava então o álbum “Mighty Joe Moon” (um disco obrigatório), decorria então o ano de 1994 e no ar pairavam os restos da explosão grunge, iniciada em Seattle mas que rapidamente cobriria todo o planeta. Os anos passaram e o Grant Lee (agora com o seu apelido verdadeiro) Phillips, já mais maduro (gosto desta definição vinícola), apresenta já aquele que é o seu 4º álbum, agora a solo.
E para este novo registo, Phillips decidiu e quanto a mim muito bem, agarrar em músicas de outros intérpretes (da sua geração) e dar-lhes uma nova roupagem, sim estamos perante um disco de covers. Ora um disco de versões, acarreta normalmente uma certa dose de responsabilidade, principalmente se alguns dos temas escolhidos forem “The Eternal” [Joy Division]; The Killing Moon [Echo & The Bunnymen] ou Boys Don't Cry [The Cure].
Para quem nunca ouvi falar, de Grant Lee Phillips este é um óptimo ponto de partida, estamos perante um dos melhores songwriters do anos 90. Grant Lee tem uma voz inconfundível, forte e cheia de carácter.

Momento Mágico: City Of Refuge [Nick Cave]


Grant Lee Phillips – “Nineteeneighties” (2006) - Zoë.

1 comentário:

Cajó disse...

Grant-Lee Phillips é um nome a reter, pautou o seu percurso musical de forma segura, desde o fim da grande banda Grant Lee Buffalo da qual era "alma mater", publicando 3 grandes discos (Ladie's Love Oracle, Mobilize e Virginia Creeper) até este "1980's".
Neste, Grant Lee Phillips revela o seu respeito e admiração por alguns artistas que o influenciaram ao longo da sua carreira, sem nunca prescindir do seu toque pessoal que inclui melodias sentidas, simples (sem que percam importância por isso) e assumidamente acústicas.
É um disco que desperta alguma nostalgia, ao mesmo tempo que nos entusiasma, graças aos arranjos que os temas sofreram e à grande voz que o Sr. Phillips tem (que já lhe valeu o prémio de melhor vocalista masculino em 1995 pela Rolling Stone).
Faço votos que o Grant Lee continue a percorrer de forma segura o caminho que o trouxe até aqui, que nos vai trazer um novo disco em Fevereiro (Strangelet) e chamo desde já a atenção para a genialidade da versão de "Ashes to Ashes", original de David Bowie, a meias com os The Section Quartet, disponível no iTunes americano.