2008/05/17

Foals

Simples e Directo

O mundo pop tem destas coisas. Rituais que se repetem ano após ano, não se cria nada de novo, não surgem novos sons, não se inova um milímetro que seja. E como eu gosto disto. Um mundo musical perfeitamente descomprometido e sem necessidade de esforços mentais.
Os Foals são tudo isto, directos, discretos, banais e isto é tão bom, faz-me sentir tão bem. Preciso desta coisas simples. Antidotes é estrutura pop pura, está repleto de temas claros, manifestos de fácil admissão e de espontânea adição.
A banda de Oxford (England) usa os mesmos recursos de uns Bloc Party ou Klaxons e usam o rock ao estilo de uns Artic Monkeys, o resultado é uma amálgama sonora de contornos dance-punk, o que satisfaz de uma forma discreta.
Antidotes inicia com “The French Open” e “Cassius” silhuetas de contornos ska, onde a formula rítmica ganha o controle de toda a estrutura musical. Com “Olympic Airways” há um nítido olá à pop. “Electric Bloom” resume tudo o que foi dito anteriormente, singela e eficaz, objectivo pop perfeitamente cumprido. O timbre de voz de Andrew Mears, é talvez a única coisa que dá uma característica única aos Foals, tudo o resto apesar de residual, é festivo e de fácil compreensão.
Foals é musica pela musica, simples, directa e eficaz.

Momento Mágico: Big Big Love (Fig. 1)


FoalsAntidotes (2008) - Transgressive

1 comentário:

Filipe disse...

É grande álbum sim! Só uma correcção: "Bloc Party" em vez de "Block Party". ;)